segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Lições de Nelson


"[Até o século XIX] o idiota era apenas o idiota e como tal se comportava. E o primeiro a saber-se idiota era o próprio idiota. Não tinha ilusões. Julgando-se um inepto nato e hereditário, jamais se atreveu a mover uma palha, ou tirar um cadeira do lugar. Em 50, 100 ou 200 mil anos, nunca um idiota ousou questionar os valores da vida. Simplesmente, não pensava. Os "melhores" pensavam por ele, sentiam por ele, decidiam por ele. Deve-se a Marx o formidável despertar dos idiotas. Estes descobriram que são em maior número e sentiram a embriaguez da onipotência numérica. E, então, aquele sujeito que, há 500 mil anos, limitava-se a babar na gravata, passou a existir socialmente, economicamente, politicamente, culturalmente etc. houve, em toda parte, a explosão triunfal dos idiotas." - Nelson Rodrigues

sábado, 4 de dezembro de 2010

Monkey See, Monkey Do


Às vezes vou até o site da Billboard americana para ver o que anda rolando de novidades musicais no HOT100 Singles. Baixo pelo menos as quatro ou cinco primeiras da parada, ouço, analiso e penso, ”essa música é tão ruim que não vai pegar aqui no Brasil”.
Bom, não preciso nem dizer que dali duas semanas as mesmas estão entre as mais tocadas da Jovem Pan.

(A teoria do desejo mimético responde milhares das minhas questões.)